Mulher trans muculmana é acusada de insulto religioso na Malásia

    Veja também

    Empresária e influenciadora usou trajes típicos em cerimônia religiosa de 2018 e pode pegar até três anos de prisão

    A empresária e influenciadora digital Nur Sajat Kamaruzzaman foi acusada de “insultar o islamismo” após usar roupas tradicionais em uma cerimônia religiosa em 2018. Natural da Malásia, onde sua identidade de gênero não é reconhecida, ela poderia ser condenada a até três dias de prisão pela acusação.

    Nur Sajat Kamaruzzaman (Reprodução)

    “Como uma mulher transgênero e muçulmana, acredito que tenho o direito de expressar minha religião do meu próprio jeito”, disse Sajat à BBC “Não há razão para eles me punirem como se estivessem fazendo a obra de Deus.”

    A influenciadora chegou a ser presa por autoridades de imigração na Tailândia em meados de setembro. No mesmo mês, o Ministro de Assuntos Religiosos da Malásia, Idris Ahmad, declarou que ela seria inocentada se estivesse disposta a abrir mão de sua identidade. Na ocasião, ele citou a “educação” da empresária.