Lewis Hamilton critica legistação anti LGBTQIA+ na Arábia Saudita: “é muito assustador”

    Veja também

    Em entrevista coletiva nesta quinta (2), piloto voltou a cobrar posicionamento de atletas e admitiu desconforto em competir no país: “não é minha escolha estar aqui”

    Lewis Hamilton: capacete com as LGBTQIA+ no Catar (Reprodução)

    Lewis Hamilton voltou a criticar as leis que punem a comunidade LGBTQIA+ na Arábia Saudita. Após usar um capacete com as cores do arco-íris no Catar o piloto de Fórmula 1 falou abertamente sobre a legislação que criminaliza relações entre pessoas do mesmo sexo com flagelação, chicotadas, prisão e mesmo com execução.

    Na entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira (2) em Jedá, onde acontece o GP da Arábia Saudita neste fim de semana, Hamilton disse: “Se alguém quiser ler o que é a lei para a comunidade LGBTQIA+, é muito assustador. Há mudanças que precisam ser feitas”.

    Hamilton tem sido uma voz potente na defesa dos direitos humanos durante esta temporada. Entre suas mensagens mais importantes está o chamado para que atletas se posicionem com relação ao tema.

    “Como disse na última corrida, senti que o esporte e que nós temos o dever de tentar ajudar a aumentar a conscientização para certas questões que vimos, particularmente os direitos humanos nos países para onde vamos.”

    O heptacampeão mundial ainda admitiu desconforto em competir em países que cerceiam direitos dos cidadãos: “Se eu me sinto confortável aqui? Não diria que sim, mas não é minha escolha estar aqui, o esporte optou por estar aqui. Seja certo ou errado, enquanto estivermos aqui, acho importante tentarmos aumentar a conscientização”.