Câmara de Niterói rejeita projeto de cotas para pessoas trans em concursos públicos

    Veja também

    Votação aconteceu nesta quinta-feira (18), após adiamento devido a uma discussão sobre a pauta

    A Câmara Municipal de Niterói rejeitou, na tarde desta quinta-feira (18), o projeto de lei que previa 2% de cotas para pessoas transgênero em concursos públicos da cidade. O projeto, da vereadora Benny Briolly (PSOL) — primeira parlamentar trans de Niterói —, foi derrubado por 13 votos a 7.

    Benny Briolly: “vamos encher esse parlamento dos nossos para que, de fato, essa Casa respeite a democracia” (Reprodução/Instagram)

    Dentre os 21 parlamentares do Legislativo, todos fizeram uso do voto — exceto o presidente Milton Cal. A votação, que deveria ocorrer na tarde de quarta (17), chegou a ser adiada por Cal (PP), para a tarde desta quinta após uma discussão acalorada com direito a voz de prisão.

    A confusão começou durante a fala da autora do projeto, Benny Briolly, expunha o fato de que o Brasil é o país que mais mata pessoas transexuais no mundo. Após ouvir gritos nas galerias, ela foi interrompida pelo vereador Douglas Gomes, do PTC, que acusou a informação de ser enganosa.

    A discussão tomou rumos mais intensos quando Douglas deu voz de prisão a uma pessoa que o acusou de fascista.

    “Eu fui chamado de fascista de merda? Repete isso que eu te dou vou te dar voz de prisão agora. Isso é injúria, artigo 140 do Código Penal. Vai abrir precedente para ofenderem os vereadores da Casa, presidente? Eu quero encontrar com esse cidadão. Estou te dando voz de prisão, vou te levar para a 76ª (Delegacia Policial, no Centro) e solicito o apoio da Casa para que isso aconteça”, disse Douglas.

    “Durante minha fala, quando apresentava dados sobre a transfobia brasileira, os gritos e xingamentos dos bolsonaristas me interrompiam. Fui chamada de ‘traveco’, ‘viadinho’ e ‘piranha’. Foi muito violento!” disse Benny.

    Após a votação, Douglas declarou: “Não vai ter cota para travesti em concurso público em Niterói. Pode chorar”. Já Benny disse: “Eu, Benny Briolly, mulher aquilombada, prometo que no próximo processo eleitoral, eu não aceitarei ser travesti eleita sozinha. Nós vamos encher esse parlamento dos nossos para que, de fato, essa Casa respeite a democracia”.