Uber nega cadastro a trabalhadores trans em Los Angeles

    Veja também

    Motoristas e entregadores denunciaram prática discriminatória em reportagem; empresa diz que é procedimento de segurança

    Ao menos cinco trabalhadores transexuais tiveram seus cadastros recusados pela Uber na região de Los Angeles, nos Estados Unidos. A denúncia foi feita ao jornal Los Angeles Times pela União Americana pelas Liberdades Civis do Sul da Califórnia (American Civil Liberties Union of Southern California).

    Motoristas e entregadores denunciaram prática discriminatória em reportagem (Getty Images)

    Segundo a reportagem, motoristas e entregadores vêm enfrentando resistência da companhia ao enviarem seus documentos e pelo menos cinco foram banidos completamente da companhia, mesmo após apelos pela reativação.

    Um homem ouvido pelo jornal revelou que realizou o cadastro cerca de 20 vezes, tendo sido recusado em todas. Segundo ele, somente após várias tentativas ele teria se dado conta de que sua aparência atual, com barba e bigode, estava diferente da documentação.

    Outra entregadora, que trabalhou para o Uber Eats por um ano sem problemas, tentou atualizar seu cadastro com novas fotos e com seu nome no último mês de agosto, mas a companhia acusou o novo registro de fraudulento.

    Zahid Arab, uma porta voz da companhia, disse que a verificação é uma prevenção a fraudes, uma medida de segurança adotada pela Uber. Por e-mail, Zahid disse que “cadastros podem ser trocados e resultar em uma experiência ruim para o cliente”. A representante ainda disse que a empresa está melhorando seus processos e que se encarregará de reativar as contas desativadas denunciadas na reportagem.