Memorial vai contar histórias de vítimas da Aids no Brasil

    Veja também

    Iniciativa está coletando áudios e retalhos com lembranças das vítimas da epidemia no país; saiba como participar

    Uma iniciativa vai reunir e organizar a memória das vítimas da epidemia de Aids no Brasil. Chamada memorial incompleto da epidemia de aids, trata-se de um projeto aberto, coletivo e sem fins lucrativos idealizado pela Casa 1, o Acervo Bajubá, o Museu da Diversidade Sexual, a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o Grupo de Incentivo à Vida e o Pela Vidda SP.

    Inspirada no Projeto Nomes, surgido nos Estados Unidos em meados dos anos 1980, a ação deverá reunir fotos e áudios contando a história das pessoas que não resistiram à doença.

    Projeto foi idealizado pela Casa 1, o Acervo Bajubá, o Museu da Diversidade Sexual, a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o Grupo de Incentivo à Vida e o Pela Vidda SP (Divulgação)

    A ideia, segundo a divulgação do memorial, é “ilustrar a enormidade da epidemia da Aids, encorajar uma atitude de compaixão para as pessoas vivendo com o HIV e gerar uma forma criativa e positiva de expressão para aqueles cujas vidas foram de alguma maneira tocadas pela epidemia”.

    Chamado memorial incompleto da epidemia de aids, trata-se de um projeto aberto, coletivo e sem fins lucrativos (Divulgação)

    Quem quiser compartilhar suas lembranças deverá uma proposta de retalho que formará uma colcha física, além também de áudios anônimos com duração de 3 a 10 minutos. Ao final do projeto, os áudios e imagens dos retalhos serão disponibilizados anonimamente no site do projeto; e a colcha será apresentada nos espaços parceiros em exposições abertas ao público.

    Inspirada no Projeto Nomes, surgido nos Estados Unidos em meados dos anos 1980, a ação deverá reunir fotos e áudios contando a história das pessoas que não resistiram à doença (Divulgação)

    A iniciativa é aberta e qualquer um pode participar. No site do projeto existem especificações de formato. Envios, dúvidas, agendamento de coleta de áudios ou criação dos retalhos podem ser feitos pelo email educativo@casaum.org e pelo WhatsApp (11) 91013-6994.

    No site do projeto existem especificações de formato (Divulgação)

    Os pontos de referência do projeto ficam no centro de São Paulo, no Galpão da Casa 1 (Rua Adoniran Barbosa, 151 – Bela Vista) e no Museu da Diversidade Sexual (Estação República do Metrô – R. do Arouche, 24 – República).

    Envios, dúvidas, agendamento de coleta de áudios ou criação dos retalhos podem ser feitos pelo email educativo@casaum.org e pelo WhatsApp (11) 91013-6994 (Divulgação)