Pastor faz acordo e pede desculpas após ataques homofóbicos

    Veja também

    Religioso baiano ainda teria usado a palavra “homossexualismo” no mesmo sermão

    Um pastor da Bahia precisou retratar-se em um culto de sua congregação após falar contra campanhas de publicidade LGBTQIA+. Carlos César Januário, da Primeira Igreja Batista de Ipiaú, também teria dito a palavra “homossexualismo” no mesmo sermão, no dia 30 de junho.

    Acionado pelo Ministério Público do Estado da Bahia, o religioso fez um acordo e divulgou, no último dia 10, um vídeo com a retratação.

    O sermão em questão continha ataques a duas empresas que tinham feito comerciais de homenagem do Dia Mundial do Orgulho LGBT.

    Realizado pela promotora Alícia Violeta Botelho, o Termo de Ajustamento de Conduta prevê a divulgação da retratação por 30 dias, além do compromisso de não usar mais palavras discriminatórias contra pessoas LGBTQIA+.