MPF apura exclusão de questões sobre identidade de gênero no Censo 2022

    Veja também

    Procurador acreano abriu investigação preliminar sobre irregularidades no levantamento

    A determinação acontece após a determinação, via Supremo Tribunal Federal, de que o governo federal é obrigado por lei a realizar o Censo (GEtty Images)

    O Ministério Público Federal do Acre (MPF-AC) abriu uma investigação preliminar sobre a exclusão de questões identitárias e referentes a orientação sexual no Censo 2022. Quem denunciou a irregularidade, segundo a Globonews, foi o procurador Lucas Costa Almeida Dias.

    Dias teria determinado “a autuação em Notícia de Fato (PRDC) para averiguar eventual irregularidade no Censo 2022, em relação à não inclusão dos campos de identificação da ‘identidade de gênero’ e ‘orientação sexual’ nos questionários básico e amostral”.

    A determinação acontece após a determinação, via Supremo Tribunal Federal, de que o governo federal é obrigado por lei a realizar o Censo – previsto para 2020 e atrasado duas vezes, devido à alegação de falta de verbas para a realização do levantamento. A eliminação das questões referentes à identidade sexual, no entanto, poderia vir acompanhada de uma orientação ideológica e conservadora do governo, visto que elas ajudam a mapear e perfilar a população LGBTQIA+ do Brasil.