Empresária divulgada por J.K. Rowling denuncia ameaças de ativistas trans

    Veja também

    Dona de marca de camisetas feministas conta que passou a receber mensagens de ódio em redes sociais desde a divulgação da autora de Harry Potter

    Uma empresária britânica denunciou uma série de ameaças feitas por ativistas trans. Angela Wild, 44, é uma mulher lésbica e dona de uma linha de camisetas feministas, que ganhou exposição após ter seus produtos divulgados pela escritora J.K. Rowling, autora da série Harry Potter.

    Dona de marca divulgada por J.K. Rowling denuncia ameaças (Reprodução)

    Angela é a responsável, entre outros, por camisetas com mensagens como “mulheres trans são homens” ou “biologia feminina não é intolerância”. Sua marca, a Wild Womyn Workshop, existe desde 2017, mas viu a fama ganhar proporções globais após ser divulgada por J.K. Rowling em 2020.

    Rowling, que é conhecida por suas posições transfóbicas, divulgou uma foto de uma das peças de Angela no Twitter dizendo “Às vezes uma camiseta fala por você”. Na imagem, a camiseta dizia “esta bruxa não queima”.

    Segundo o Daily Mail, Angela, que era acostumada a receber denúncias pelo teor de suas peças, viu sua vida mudar desde então. À reportagem, a empresária disse receber ameaças de morte diárias de ativistas de direitos trans. Em várias ocasiões, o teor das mensagens teria levado ela a fazer denúncias para a polícia.

    J.K. Rowling (Reprodução)

    “Fui rotulado de ‘terf’ – uma feminista radical excludente trans -, uma fanática transfóbica, odiosa, uma nazista, e tive alguns dos meus dados pessoais publicados nas redes sociais”, diz a empresária, que é natural da França, mas vive no País de Gales, na Inglaterra.

    “Meus produtos são baseados em minhas próprias opiniões. Não aceito a ideia de que qualquer pessoa possa ter útero. É uma questão biológica simples, que só as mulheres têm. É ridículo que nem mesmo possamos dizer isso – como a biologia agora é vista como um discurso de ódio?”

    Angela ainda se disse grata pela divulgação de Rowling, que fez suas vendas aumentarem muito. Mas diz que as reações transformaram sua vida em um “inferno”. Segundo ela, suas peças partem do princípio da liberdade de expressão, e, enquanto ela vê organizações se manifestarem a favor dos direitos de pessoas trans, ela acredita que opiniões como as dela devam ser respeitadas.