Abertura

    Veja também

    DaBaby não procurou ONGs de combate ao HIV após promessa

    Músico teria se comprometido a auxiliar três instituições após...

    Salvador adia plano de cultura após debate sobre ações para LGBTQIA+

    Plano tramita na Câmara Municipal da capital baiana desde...

    Primeiro hotel voltado a público LGBTQIA+ reabre em Cuba

    Após hiato devido à pandemia, espaço abre as portas...

    Claudia Raia lança clipe em homenagem a público LGBTQIA+

    Faixa integra espetáculo da atriz e vídeo é repleto...

    O 29º Festival MixBrasil transcorre em plena retomada das atividades presenciais, com boa parte de sua programação acontecendo em seis salas espalhadas pela cidade de São Paulo. Outra boa parte se mantém on-line, pois a pandemia já evidenciou que o modelo híbrido será a regra no mundo.

    Reconquistamos o convívio público – seguindo todos os protocolos sanitários –, mas mantendo o acesso ampliado e democrático aos filmes, espetáculos, shows, palestras e workshops, algo que só é possível através das plataformas digitais. Foi por meio delas que no ano passado conseguimos mais do que triplicar o número de pessoas que frequentaram a programação do Mix Brasil.

    Para o festival deste ano buscamos trazer uma mensagem de movimento, resistência e cura possibilitados pela expressão de nossas vozes na produção cultural. Nossa própria existência enquanto pessoas LGBTQIA+ é política. Sendo assim, o tema “Cultura da Diversidade. Presente”, criado pelos nossos parceiros da Isobar, condensa o trabalho realizado pela nossa brava equipe, pelos tantos talentos que participam desta edição e por todes que produzem e consomem cultura nesses tempos tão difíceis. Nosso Ícone Mix 2021, Ney Matogrosso, traduz em seu corpo essa vivência que, há 80 anos, se manifesta acima de qualquer rótulo e continua nos inspirando a seguir em frente.

    A programação está incrível como sempre e madura como nunca. Garimpamos filmes premiados nos principais festivais do mundo com exibição exclusiva, apresentamos a estreia de espetáculos desenvolvidos em residências artísticas no Dramática, em parceria com o Centro Cultural da Diversidade, trazemos novas pistas de reflexão para nossa comunidade no Mix Literário, Mix Talks e Mix Lab, e revelamos novos talentos no Mix Music. Mantemos também tradições, como o inominável Show do Gongo, apresentado por Marisa Orth, único evento do Mix Brasil que se mantém 100% off-line.

    São muitos os desafios colocados pelos continuados ataques à cultura e às populações minorizadas no Brasil, pelas justas demandas pautadas nos debates antiopressões e pela nova realidade tecnológica e econômica que transforma radicalmente as indústrias do audiovisual e do entretenimento. Por isso, começamos – mesmo antes desta presente edição – a pensar e planejar as novas possibilidades e formatos de programar, exibir, assistir e participar da exibição de longas, curtas, séries, peças, shows, palestras e encontros, que se consolidarão no ano que vem em nosso aniversário de 30 anos.

    Nossa plataforma Mix Brasil Play mantém durante o ano um acervo crescente de todo tipo conteúdo – e crescerá em breve com produção de material próprio.

    Neste ano conseguimos fazer isso tudo com a fundamental renovação da parceria com Mercado Livre, Itaú, Spcine e Sesc SP, e outros estimados parceiros e apoiadores.

    Passadas quase três décadas, o Festival Mix Brasil segue sendo aquele momento do ano para nos encontrarmos e pensarmos juntes sobre a construção de um mundo onde toda maneira de ser e de amar é respeitada e valorizada.

    Cultura da Diversidade. Presente!