Identidade

    Veja também

    Claudia Raia lança clipe em homenagem a público LGBTQIA+

    Faixa integra espetáculo da atriz e vídeo é repleto...

    Atriz que vive Power Ranger lésbica fala sobre visibilidade

    Tessa Rao interpreta Izzy Garcia, a Ranger verde e...

    Secretaria Municipal da Saúde de Salvador aprova nome social em crachás

    Em comunicado, órgão frisou a importância das pessoas trans...

    Mateus Solano defende representatividade LGBTQIA+ na TV

    Em entrevista a podcast, ator refletiu sobre a diferença...

    Salvador adia plano de cultura após debate sobre ações para LGBTQIA+

    Plano tramita na Câmara Municipal da capital baiana desde...

    DEPOIS DO CORPO (90’) – 14 anos
    19 NOV | TERÇA-FEIRA – 15h @ CCSP – Sala de Ensaio I

    Um exercício sobre o adiante, onde corpos dissidentes pensam narrativas para depois do corpo, dentro de suas atividades na indústria da música.

    Jup do Bairro
    Multiartista, colocando em pauta narrativas que atravessam seu corpo de travesti, preta, gorda e periférica.

    Karol de Souza
    Em 2013, lançou sua primeira mixtape, Rap Até o Fim. Com timbre potente, flow autêntico e discurso afiado, a versátil e plural MC marca posição na linha de frente do rap.

    Mediação: Rico Dalasam
    Cantor, compositor e rapper brasileiro. “Dalasam” é um acrônimo da frase “Disponho Armas Libertárias a Sonhos Antes Mutilados”. Assumidamente homossexual, é representante da comunidade LGBTQI+ no intitulado queer rap.

    COLOCAÇÃO: AFETOS, POTÊNCIAS E VULNERABILIDADES – ANTIPROIBICIONISMO NO CONTEXTO DA POPULAÇÃO LGBTQI+ (90’) – 14 anos
    20 NOV | QUARTA-FEIRA – 15h @ CCSP – Sala de Ensaio I

    A Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (Renfa), que atua numa perspectiva antiproibicionista, antirracista, anticapitalista e antiLGBTfóbica, contra as diversas estratégias de controle dos corpos, convida todes para um debate interseccional sobre os impactos da atual política de drogas na vida das mulheres e da população LGBTQI+.

    Gisele Dantas da Costa

    Juliana Vicente de Freitas

    Sabrina Basquera
    Gorda, sapatão, feminista antiproibicionista, terapeuta ocupacional, redutora de danos e membra da Renfa.

    Mediação: Karin Di Monteiro Moreira
    Mãe, bióloga, doutora em ciências, coordenadora do Projeto ResPire/Centro de Convivência É de Lei e membra da Renfa.

    ANO PASSADO EU MORRI, MAS ESSE ANO EU NÃO MORRO (90’) – 14 anos
    20 NOV | QUARTA-FEIRA – 17h @ CCSP – Sala de Ensaio I

    Esta mesa pretende discutir questões relacionadas ao envelhecimento e a finitude de pessoas LGBTQI+.

    Diego Miguel
    Mestre em filosofia (USP), especialista em gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, professor em pós-graduação em gerontologia e saúde pública, e padrinho da EternamenteSOU – primeira organização social no Brasil voltada para a visibilidade e o atendimento das Velhices LGBTQI+.

    Tom Almeida
    Empreendedor social, ativista e fundador do movimento inFINITO. Idealizador do Festival inFINITO Sobre Viver e Morrer, Cineclube da Morte e a Morte no Jantar.

    Milton Roberto Furst Crenitte
    Médico geriatra, com graduação e residência pela USP. Colaborador do Serviço de Geriatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP). Diretor de projetos da ONG EternamenteSOU. Doutorando em ciências pela FMUSP.

    Mediação: Rogério Pedro
    Administrador de empresas, especialista em gestão financeira, ativista LGBTQI+, idealizador e presidente da ONG EternamenteSOU, organização sem fins lucrativos na cidade de São Paulo voltada para pessoas idosas LGBTQI+.

    IDENTIDADE em 2018:

    Previous articleFeminismos
    Next articleMercado