Sobre o Festival

    Veja também

    DaBaby não procurou ONGs de combate ao HIV após promessa

    Músico teria se comprometido a auxiliar três instituições após...

    São Paulo retoma campanha +Dias -AIDS +Liberdade

    Ativista Heitor Werneck retoma ação de conscientização, prevenção e...

    Da trincheira para vitrine

    Muita coisa mudou no no mundo – e no Festival – do começo dos anos 90 até hoje. A diversidade sexual deixou de ser vista como uma bizarrice para ocupar espaço central nas discussões sobre direitos humanos nos cinco continentes.

    No Brasil, no MixBrasil aliás, cunhamos o termo GLS que possibilitou uma aproximação mais tranquila dos simpatizantes e abriu espaço para que os direitos LGBT fossem defendidos por todos aqueles sintonizados com os avanços sociais e boas causas.

    E a produção cultural sobre o tema cresceu exponencialmente, deixando os circuitos alternativos e ocupando espaços de Hollywood a Bollywood, chegando até o circuito comercial nacional.

    O desafio deixou de ser simplesmente encontrar espaços para exibir “filmes gays”, mas encontrar obras inéditas e que continuem a desafiar o status quo. O que se traduz em uma programação necessariamente mais bem pensada. Questões como Aids e sexualidade de pessoas com deficiência, por exemplo, sempre foram abordadas, mas o foco e modos de abordagem mudaram radicalmente nesse periodo.

    A produção nacional também saiu do fundo do quintal e conquistou festivais em todo o mundo, a maior parte deles parceiros históricos do MixBrasil. Hoje o Brasil é um dos grandes produtores de curtas de temática gls.

    Conseguimos chegar aos 20 anos com a maior edição do MixBrasil, que a partir desse ano muda seu subtítulo para Festival de Cultura da Diversidade para valorizar as diversas manifestações artísticas que se somaram ao audiovisual.

    O movimento de ampliação da programação se consolida nesse ano com a chegada da literatura que se soma a teatro e música, já presentes em edições anteriores.

    O teatro, por sinal, é consagrado nessa edição com estréias nacionais de peças e nundiais de leituras dramáticas.

    Tudo isso foi possível gracas ao apoio do público, que teve um forte aumento no ano passado, e ao fortalecimento de parcerias com a Prefeitura do Rio de Janeiro, da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, do Ministério da Saúde e do SESC SP.

    Sejam todos muito bem vindos ao 20º MixBrasil!

    André Fischer / João Federici

    Previous articleRuído
    Next articleParceiros