In memoriam: Popo Vaz em ensaio editorial para o app Hornet, em 2017

Ensaio fotográfico de Paulo Vaz, policial e ativista dos direitos trans, feito para o aplicativo Hornet, em 2017. Fotos cedidas por André Fischer

LEIA TAMBÉM

- Publicidade -
- Publicidade -

O ativista e policial militar trans Paulo Vaz, 2136, também conhecido como Popo Vaz, nos deixou no último 14 de março. Natural de Belo Horizonte (MG), o influenciador vivia em São Paulo.

Popo vaz
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer

Em 2018, Popo concedeu uma entrevista ao G1 falando sobre sua infânciae que o processo de transição se deu aos 25 anos: “Eu sempre fui diferente. Sentia uma angústia o tempo todo. Fui uma criança bem masculina. Tem criança feminina que se identifica com o universo masculino, mas é mulher mesmo. Eu não me sentia assim. Na adolescência, quando começaram a nascer os seios, comecei a me sentir mais desconfortável. Eu queria ser homem, mas na época não sabia que isso existia. Tinha medo das pessoas acharem que eu era doido se dissesse isso”.

Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer

“Fui olhar vídeos de meninos [trans] tomando testosterona e via a transformação no corpo deles em dois, três meses. Falei ‘Meu Deus, eu sou isso, sou homem trans’. Até amadurecer a ideia foram uns seis meses, porque eu estava prestando o concurso na polícia. [Pensei] deixa eu passar [no concurso], e depois vejo o que faço”, disse.

Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer

“Hoje eu me olho no espelho e não tem mais aquela angústia. Estou onde eu queria estar profissionalmente. Me sinto realizado. Faltam algumas coisas ainda para chegar aonde quero, mas estou no caminho”, contou.

Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer

“Comecei o processo de hormonização, que é tomar testosterona, há dois anos. Tem algumas formas de tomar testosterona, tem a forma em gel, pomada, oral e injetada. O corpo precisa de um pico de testosterona para se masculinizar. Optei pela forma injetada porque faz diferença mais rápido. Começam a aparecer as características de barba, muda a voz. E também fiz a cirurgia de retirada das mamas”, lembrou.

Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer

Fotos cedidas por André Fischer
Fotos cedidas por André Fischer
MixBrasil
MixBrasil
Fundado em 1994, o MixBrasil é o primeiro portal de informações e cultura LGBTQIA+ do Brasil

Deixe uma resposta

- Publicidade -
- Publicidade -

Latest News

Virada Cultural 2022 terá Gloria Groove, Ludmilla e outros artistas LGBTQIA+

No próximo sábado (28) e domingo (29), além de Gloria Groove e Ludmilla, nomes como Filipe Catto, Potyguara Bardô, Luísa Sonza, Majur, Vitão e Pocah também se apresentam na Virada Cultural de SP

More Articles Like This

- Publicidade -