Espetáculo “Homens Pink” estreia no Sesc Belenzinho

O monólogo foi inspirado no filme homônimo que esteve, em 2021, na programação do Festival MixBrasil

LEIA TAMBÉM

- Publicidade -
- Publicidade -

Partindo de depoimentos de homens gays idosos e com uma obra que celebra o orgulho da ancestralidade LGBTQIA+, o artista Renato Turnes dirige, escreve e protagoniza Homens Pink. O solo, da Cia La Vaca (SC), estreia na sexta-feira, 29 de abril, às 21h30, no Sesc Belenzinho. A temporada vai até 15 de maio com sessões sextas e sábados, às 21h30, e domingo, às 18h30.

O espetáculo é uma performance documental solo que toma como base para sua dramaturgia original os relatos dos senhores entrevistados, no sentido de atualizar memórias de resistência. Recordações pessoais do ator se fundem a lembranças emprestadas: a infância, o sexo, o fervo, a epidemia da AIDS e a luta dos pioneiros.

O projeto foi selecionado pelo Rumos Itaú Cultural de 2017/2018 e iniciou sua trajetória com um documentário homônimo que estreou online entre os anos de 2020 e 2021 em festivais nacionais e até em Bangkok, na Tailândia. Com a temporada no Sesc Belenzinho, o filme ficará disponível no canal de Youtube da Cia de 27 de abril até 17 de maio com audiodescrição e libras, além de legendagem em inglês e espanhol. Nos palcos, Homens Pink também ganhou uma performance virtual devido aos protocolos sanitários para a contenção da pandemia do Covid-19. Com a retomada das atividades e o retorno dos eventos culturais, o espetáculo encontra o público para uma temporada presencial.

Cristiano Prim homens pink
Rento Turnes em cena – Foto: Cristiano Prim

“Na época de minha adolescência, tinha uma geração mais velha que já era conectada com o universo LGBTQIA+. Eles sabiam as melhores músicas, tinham mais conhecimento da moda, eram um modelo para nós mais jovens. Com o passar dos anos, comecei a questionar por onde andavam essas pessoas e iniciaram-se os questionamentos sobre o processo de envelhecimento e invisibilidade. A questão de não se sentir mais confortável em certos ambientes. Assim como toda a sociedade, esta comunidade também é atingida por não estar mais nos padrões de beleza e consumo. Foram encontrados momentos de convergência como a explosão da epidemia da AIDS. São narrativas que se distanciam e se tocam ao mesmo tempo”, ressalta o ator.

Durante a pesquisa, Renato Turnes encontrou, em São Paulo e em Florianópolis, nove homens gays dispostos a compartilhar com ele suas memórias: Carlos Eduardo Valente, Celso Curi, José Ronaldo, Julio Rosa, Eduardo Fraga, Luis Baron, Tony Alano, Paulinho Gouvêa e Wladimir Soares. Fotos, projeções e objetos dos próprios entrevistados compõem os elementos de cenário e figurino que remetem a luz e escuridão, características que reforçam o tom agridoce do espetáculo em meio aos fragmentos narrativos.

“Nossas histórias eram contadas por um grupo hegemônico, passando pelos mesmos temas e abordagens. Todavia, nos últimos anos, houve uma mudança de perspectiva. Finalmente a história tem sido contada por nós mesmos. A comunidade LGBTQIA+ tem mostrado suas vidas, gerando novas facetas envolvendo idade, raça. Homens Pink é uma reverência para aqueles que vieram antes, os pioneiros na luta por uma série de direitos”, enfatiza Turnes.

SINOPSE:

Homens Pink é um espetáculo criado a partir dos depoimentos de um grupo de senhores gays. No corpo-arquivo em cena, narrativas sobre infância, fervo, epidemia e resistência conectam-se a acervos pessoais e compõem um documento performativo que celebra a experiência dos pioneiros e o orgulho das ancestralidades dissidentes.

SERVIÇO:

HOMENS PINK
Sesc Belenzinho – Local: Sala de Espetáculos I
Temporada: De 29 de abril a 15 de maio. Sextas e sábados, às 21h30, e domingo, às 18h30
Ingressos: R$ 30 (Inteira) e R$ 15 (Credencial Plena / Meia)
Comprashttps://www.sescsp.org.br/programacao/homens-pink/ (Vendas a partir de 19/4)
Duração: 50 minutos. Classificação: 14 Anos. Capacidade: 100 lugares

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700
sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento
De terça a sábado, das 9h às 21h. Domingos e feriados, das 9h às 18h.
Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.
Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

Transporte Público
Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

FICHA TÉCNICA:

Direção artística, texto e performance: Renato Turnes. Assistência de criação: Karin Serafin. Iluminação e projeções: Hedra Rockenbach. Edição de vídeos: Marco Martins. Imagens VHS: Carlos Eduardo Valente e Dominique Fretin. Figurinos e máscara: Karin Serafin. Trilha sonora original: Hedra Rockenbach. Arte gráfica: Daniel Olivetto. ​Fotos: Cristiano Prim. Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes. Produção: Milena Moraes. Realização: La Vaca Companhia de Artes Cênicas. Artistas provocadores: Anderson do Carmo, Vicente Concilio, Fabio Hostert e Max Reinert. A partir das memórias de: Carlos Eduardo Valente, Celso Curi, José Ronaldo, Julio Rosa, Eduardo Fraga, Luis Baron, Tony Alano, Paulinho Gouvêa, Wladimir Soares. Acervos pessoais gentilmente cedidos pelos entrevistados. Apoio: Rumos Itaú Cultural e Sesc.

RENATO TURNES

É ator, diretor de teatro e cinema, roteirista e documentarista. Como ator se destacou com a criação da Trilogia Lugosi, série de solos de terror a partir de textos de Poe, Lovecraft e Bonassi. Diretor artístico da La Vaca Cia de Artes Cênicas, junto a qual dirigiu Mi MuñequitaKassandra, e Uz, além de atuar em Le Frigô Ilusões. Fora da cia, dirigiu diversos trabalhos, tais como Emoções Baratas (Cia Experimentus), Eu Faço Uma Dança que a Minha Mãe OdeiaParte da Paisagem e Eco (Karin Serafin), Dona Bilica Naquele Tempo (documentário e espetáculo – Pé de Vento Teatro), Cartografia do Assédio (Coletivo Karma) e Rinha (Grupo Risco). Nos últimos anos tem investigado as relações entre filme documentário, corpo-arquivo e documento performativo, em diversos projetos. Pesquisador do teatro popular, dirigiu documentários sobre circo-teatro, entre eles É Bucha! 40 anos do Teatro Biriba e publicou o livro O Baú do Biriba: dramas, sobre dramaturgia circense.

Com especial interesse na ancestralidade LGBTI+, dirigiu espetáculos e filmes como Não Representadas, Homens Pink, Finas & Caricatas O Amigo do Meu Tio e roteirizou curtas como Selma Depois da Chuva e os inéditos Bloco dos Corações Valentes Da Cabeça Aos Pés. Entre diversos prêmios recebeu a Medalha do Mérito Cultural Francisco Dias Velho, o Prêmio Waldir Brazil e o Troféu Isnard Azevedo em reconhecimento à sua trajetória como artista de teatro. Seu filme documentário Homens Pink, lançado em 2020, recebeu o Prêmio Especial do Júri no DIGO – Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero – 2020 e o Prêmio de Melhor Média Metragem no Arquivo em Cartaz – Festival Internacional de Filmes de Arquivo 2020.

LA VACA COMPANHIA DE ARTES CÊNICAS

É uma companhia brasileira de teatro criada pelos artistas Milena Moraes e Renato Turnes, em Florianópolis. Em 2008 iniciou sua trajetória estabelecendo parcerias com dramaturgos da nova cena latino-americana. Desenvolveu projetos que incluem linguagens diversas, expandindo a experiência com o palco tradicional para o teatro contemporâneo, intervenções urbanas, performance e audiovisual, firmando relações criativas e profissionais com artistas de outros coletivos. Em 14 anos de atuação, segue investindo na produção de trabalhos politicamente comprometidos, que buscam o diálogo potente com os espectadores.

MixBrasil
MixBrasil
Fundado em 1994, o MixBrasil é o primeiro portal de informações e cultura LGBTQIA+ do Brasil

Deixe uma resposta

- Publicidade -
- Publicidade -

Latest News

Virada Cultural 2022 terá Gloria Groove, Ludmilla e outros artistas LGBTQIA+

No próximo sábado (28) e domingo (29), além de Gloria Groove e Ludmilla, nomes como Filipe Catto, Potyguara Bardô, Luísa Sonza, Majur, Vitão e Pocah também se apresentam na Virada Cultural de SP

More Articles Like This

- Publicidade -