Estudo conclui que 55% dos LGBTQIA+ tiveram a saúde mental prejudicada durante a pandemia

LEIA TAMBÉM

- Publicidade -
- Publicidade -

Um estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) demonstra que, durante a pandemia, os LGBTQIA+ tiveram uma piora significativa no estado de saúde mental. 55% dos entrevistados foram diagnosticados com risco de depressão no nível mais severo em 2021, sendo um índice quase 8% maior do que em 2020, que representava 47%.

A pesquisa aponta que isso também acontece devido ao afastamento das redes de apoio, em especial devido às medidas de distanciamento social, e também a escassez na ajuda profissional, o que acaba refletindo em uma piora da saúde mental e o aumento das queixas da população de que faltam políticas públicas de apoio a comunidade. Além da depressão, 47,5% dos entrevistados já tinham recebido um diagnóstico antes da pandemia para ansiedade.

O prolongamento da crise da Covid-19 aliado ao agravamento da situação financeira, em especial dos LGBTQIA+, também contribuem para uma piora do estado de saúde mental dessas pessoas. O estudo também concluiu que 6 em cada 10 LGBTQIA+ tiveram diminuição de renda ou ficaram sem trabalho por conta da pandemia, subindo a taxa de desemprego de 17,1% para 20,4%.

Estudo conclui que 55% dos LGBTQIA+ tiveram a saúde mental prejudicada durante a pandemia
Reprodução

Segundo uma matéria da CNN Brasil, o resultado tem como base o Índice VLC (Vulnerabilidade LGBTQIA+ à Covid-19), criado para o estudo de 2020. O índice oferece indicadores quantitativos que envolvem o cruzamento de dados sobre acesso à saúde, ao trabalho, à renda e exposição ao risco de infecção pelo coronavírus. A metodologia utilizada é a mesma que caracteriza o índice de vulnerabilidade social do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

O índice varia entre 0 e 1, quanto mais próximo de 1, maior a vulnerabilidade à doença do grupo analisado. Segundo o estudo, os resultados apontam que a totalidade da população LGBTQIA+ se encontra em um nível de vulnerabilidade grave e 16%, em média, mais elevado do que o ano passado, segundo as dimensões de renda e trabalho, exposição ao risco de contágio e saúde.

O aumento da exposição ao risco também se deve ao aumento no número de casos e quantidade maior de pessoas que deixaram o isolamento social. Os números de 2020 já indicavam que a população se encontrava em um nível de vulnerabilidade entre alto e grave, em especial entre pessoas trans, bissexuais e pretas, pardas ou indígenas.

MixBrasil
MixBrasil
Fundado em 1994, o MixBrasil é o primeiro portal de informações e cultura LGBTQIA+ do Brasil

Deixe uma resposta

- Publicidade -
- Publicidade -

Latest News

Virada Cultural 2022 terá Gloria Groove, Ludmilla e outros artistas LGBTQIA+

No próximo sábado (28) e domingo (29), além de Gloria Groove e Ludmilla, nomes como Filipe Catto, Potyguara Bardô, Luísa Sonza, Majur, Vitão e Pocah também se apresentam na Virada Cultural de SP

More Articles Like This

- Publicidade -